Archive | September, 2013

Alimentos antioxidantes

30 Sep

anti-aging 1 recortado

Para encerrar o ciclo anti-aging, fica o exemplo do que pode ser um dia a comer de forma saudável, dando ao organismo um vasto leque de nutrientes com poder antioxidante.

Para obter o efeito antienvelhecimento os alimentos tem de ser de origem biológica, conforme recorda a dietista Rita Seno Valentim, que criou este plano alimentar:

Sugestão:

Em jejum, beber um copo de água mineral natural

Pequeno-almoço

2 colheres de sopa de flocos de aveia integral com 1 colher de sobremesa de sementes de linhaça, 1 colher de sobremesa de bagas de goji e 5 mirtilos, com 250 ml de bebida de soja natural biológica

Merenda da Manhã

Chá verde de origem biológica e ½ toranja

Almoço

2 conchas de creme de hortaliças sem adição de caldos artificias

80g de frango assado no forno aromatizado com alecrim, 4 colheres de sopa de arroz integral com grelos, e ¼ prato de salada de tomate e cebola roxa temperada com um fio de azeite

20ml de vinho tinto ou água

100g de uva preta de origem biológica

Merenda da Tarde 1

3 tostas de centeio com sementes de sésamo e 1 iogurte biológico

Merenda da Tarde 2

4 miolos de noz

Jantar

2 conchas de creme de hortaliças sem adição de caldos artificiais

80g de salmão grelhado com 100g de batatas cozidas e ¼ prato de brócolos cozidos, tudo temperado com azeite balsâmico

Chá rooibos de origem biológica

Ingerir 2l de água mineral ao longo do dia

A um passo de outubro

30 Sep

da minha janela recortada

Movo-me devagar. Com o sabor a sal que roubei ao mar do Meco no último dia de verão, e a imagem do grande pôr-do-sol, mágico, entre dunas.

Mas ele vem ao meu encontro – outubro em tons cinzentos e chuva miudinha que às vezes aumenta a distância da minha janela à rotunda das oliveiras.

Na quinta-feira houve relâmpagos e trovões, já de madrugada, que me arrancaram da cama para ir olhar o céu. Desde criança que sinto esta atração por ‘tempestades’.

Enquanto as outras meninas corriam para casa, eu corria para a rua. Um impermeável vermelho com capuz, que me fazia sentir a heroína da história do Capuchinho Vermelho, e galochas a combinar. Só não me lembro da cor do guarda-chuva, mas é possível que tivesse bolinhas ou florzinhas.

Nunca ninguém compreendeu esta ausência de medo. Eu nunca questionei esta paixão. Limitando-me a senti-la. Com todos os sentidos!

Gosto das cores e do cheiro das trovoadas, e da suave melancolia que elas me despertam. Gosto de olhá-las nos olhos, quieta e de olhos bem abertos, e de tornar toda essa beleza eterna na minha memória.

Adoro o verão e o sol. Mas também o outono que me convida à introspeção, que me pede reorganização. Sou a mulher das estações do ano. Gosto da ideia de passagem de um estado para o outro.

Gosto de todas elas, de deslumbra-me com os seus gestos. E de acolhê-las com festins.

Para o ciclo do frio e da chuva, preparo-me com mantinhas fofas sobre os joelhos, grandes canecas de chá de gengibre, e pilhas de livros.

Às vezes aos domingos, haja ou não trovoada, vou para a cozinha fazer bolos escuros de mel e especiarias. Outras vezes, enrosco-me no sofá a tricotar blusas de lã.

Bebidas anti-aging

27 Sep

Bebida anti-aging 3 recortado

Em matéria de antienvelhecimento, o que bebemos também tem uma palavra a dizer. E também neste caso, não há líquido como a água.

“A água vem sempre em primeiro lugar na lista dos ‘bons da fita’ por ser imprescindível à vida. Um organismo que não esteja hidratado não sobrevive”, observa a dietista Rita Seno Valentim.

Por ordem de importância, seguem-se os chás – o verde, o branco e o rooibos. Devido às suas propriedades antioxidantes, “o vinho tinto também dá uma ajuda no processo anti-aging”. Mas para que isso aconteça “tem de ser consumido com moderação”.

Outra forma de aumentar a ingestão de antioxidantes é através de sumos e batidos caseiros, “onde estejam presentes os frutos vermelhos, o chá branco, as nozes,  a água e outros ingredientes que fazem parte da lista dos alimentos que beneficiam o efeito anti-aging”, como os frutos cítricos, os legumes e as bagas de goji, por exemplo.

No lado das bebidas a evitar, por acelerarem o processo de envelhecimento, “estão todas as que contêm grande quantidade de açúcar, álcool e estimulantes como a cafeína”.

Assim sendo, caipirinhas e long drinks, licores e bebidas destiladas em geral, o café e as bebidas energéticas, estão expressamente proibidas a quem quer manter-se jovem e saudável durante mais tempo.

Os sumos comerciais e os refrigerantes são também bebidas a banir, uma vez que “contém um elevado teor de açúcar, corantes e conservantes”. Isto não significa que não se possa beber um às vezes. “No fundo o segredo está no equilíbrio (dos nossos consumos) ”, resume a dietista.

Comer para atrasar o envelhecimento

25 Sep

anti-aging recortada

É possível combater os efeitos da passagem do tempo, por dentro e por fora, através da alimentação. Isto é, de uma dieta equilibrada que contenha os alimentos cuja composição contribua nesse sentido.

De acordo com a dietista Rita Seno Valentim, estão incluídos neste grupo: cacau, vinho tinto, frutos vermelhos (incluindo tomate) frutas cítricas e abacate, frutos secos (noz, bagas de goji e açaí), legumes e vegetais em particular os de folha verde, cereais integrais, leguminosas como o feijão vermelho e o preto, chá verde, sementes de linhaça e peixe.

O efeito anti-aging destes alimentos “fica a dever-se à sua riqueza em nutrientes específicos que lhes conferem poder antioxidante – o zinco, o selénio, o magnésio, as vitaminas do complexo B, a vitamina A e os omégas 3-6-9”.

Mas para esta riqueza se manter intacta, os alimentos devem ser de origem biológica, assegura.

De qualquer forma é importante ter uma alimentação variada, pois “mesmo o que é considerado saudável, pode causar danos no organismo quando consumido em excesso”.

A dietista diz que o ideal é seguir um “plano alimentar onde a combinação dos alimentos esteja de acordo com as necessidades de cada pessoa”, combinando-o com a ingestão de água, a prática de exercício físico e o descanso.

Sempre que se juntam cuidados alimentares com a prática de exercício físico, os resultados saem reforçados.

Em matéria de alimentos a evitar, a resposta é perentória: “todos os que são considerados desequilibrados nutricionalmente contribuem para o mau estado do organismo, o que leva a um maior desgaste e naturalmente à aceleração do processo de envelhecimento”.

As 5 vantagens do sexo

23 Sep

sexualidade recortada

O amor faz milagres. Quando estamos apaixonados  e ou amamos alguém, andamos mais bem-dispostos. E quando se está bem com a vida, tudo é bem mais fácil.

O mesmo acontece com o sexo. Ter vida sexual é quase sempre sinónimo de prazer, para além de apresentar muitos benefícios. A sexóloga Renata Chaleira diz-nos quais:

• É um excelente antipressivo: o orgasmo aumenta a produção de compostos antidepressivos e de prazer, dando a sensação de plenitude. Mesmo não atingindo o orgasmo, a sensação de plenitude é também uma sensação de prazer.

• Liberta feromonas: estas substâncias químicas, produzidas de forma natural pelas glândulas sudoríparas, têm como função intensificar a atração sexual. Esta libertação traz muito prazer.

• Aumenta o bem-estar geral: aumenta a imunidade do indivíduo, melhora a saúde reprodutiva e ajuda a controlar as dores no corpo. Ápice do prazer, ajuda a controlar o stress diário.

• Aumenta a confiança: existindo melhor sensação física, a autoestima e  o autoconceito também saem reforçados.

• Rejuvenesce: não existem provas. Mas aumentando o batimento cardíaco e as hormonas femininas e masculinas, bem como os cortióides, existe melhoria física e psíquica, logo existe rejuvenescimento.

Adeus verão

23 Sep

sol de setembro 2 recortado

Despedi-me do verão em glória (a 21 de setembro) com uma ida à praia do Meco. É uma das minhas preferidas. Tão discreta e tranquila, com o seu enorme areal, as águas transparentes e limpas, e a sua falésia de argila verde.

21 setembro recortado

Provavelmente o último banho este ano, mas com a sorte de o mar estar calmo e a água deliciosamente revigorizante.

as gaivotas recortado

Já à tardinha, quando a noite se fazia anunciar, o céu, o mar e as margens encheram-se de gaivotas. Momentos mágicos, de plena harmonia com a Natureza, que acabaria com um fantástico pôr-do-sol.

por do sol recortado

Às vezes, por momentos gostava que não houvesse mais nada para além deste namoro de sentidos

As 5 fases do luto

20 Sep

O mar recortado

Depois da perda há o luto. Após um divórcio ou uma situação de desemprego, duas das perdas mais comuns dos nossos dias, é natural passar-se por um período de sentimentos controversos “enquanto nos preparamos para novas conquistas.”

Quem o diz é a psicóloga clínica Ana Almeida, lembrando que “a força do impacto destes acontecimentos depende”, em grande parte, do “grau de dependência emocional e/ou financeira”. Ou seja, da situação de desamparo que é gerada”.

Diz ainda que quando o processo de luto é saudável, a pessoa passa por estas cinco fases:

• Negação: pode durar minutos ou horas. Fica-se em ‘estado de choque’, incrédula. (Vou mesmo divorciar-me?! Vou mesmo ser despedida?! ) Neste período tende-se a negar a realidade, desmentindo-a (está a brincar comigo, isso não é verdade) ou silenciando-se.

• Raiva: dá-se livre expressão à zanga e à raiva, falando do assunto e dizendo a toda a gente como se sente injustiçado e zangado (com os patrões, o marido, deus) por ter permitido ou desencadeado o acontecimento.

• Negociação: a pessoa tentar concentrar-se em eventuais ganhos que aquela perda tenha trazido, e tenta arranjar forma, internamente, para se sentir mais em paz com o acontecimento (também há negociações práticas: a divisão de bens com o marido, a guarda dos filhos; a indemnização com a empresa)

• Depressão: período de um certo abatimento natural. Sentimentos de tristeza, desamparo, culpa, falta de esperança e medo são frequentes e podem deixar marcas profundas. Chora-se mais, sente-se a perda, de forma mais profunda, como um vazio.

• Aceitação: um maior distanciamento em relação à perda permite olhar a vida antes e depois do acontecimento, e perceber os ganhos e as perdas para si próprio e para outros. Volta a sentir-se esperança e, lentamente, começa-se a reorganizar a nova vida de divorciada e/ou desempregada.

Prazeres solidários

18 Sep

pepita recortada

Outra vez para os lados de Picoas, não tenho como fugir da Loja de Comércio Justo! Depois que descobri a Pepita de chocolate com laranja, não resisto.

Adoro sentir esta profusão de sabores vinda de várias partes do mundo num quadrado de chocolate que se derrete suavemente na boca – a pasta de cacau do Equador, o açúcar de cana do Paraguai, a essência de laranja da Tanzânia, e por aí a fora …

Faço sempre um enorme esforço para não me perder na prateleira dos chocolates e comprar uma única embalagem de 90 g. Desta vez consegui – o que não acontece sempre, admito. Mas não resisti a trazer ‘mais uma coisinha’ do outro lado do Planeta: um sabonete vegetal feito na Palestina, à base de azeite virgem extra, escolhido pela simplicidade da embalagem.

Gosto de embalagens, das mais simples às mais exuberantes. Esta é simples e suave.

Seja como for, agrada-me comprar no comércio justo, visto tratar-se de um modelo de desenvolvimento “baseado na economia solidária”, que valoriza as pessoas e o trabalho coletivo, a igualdade e a cooperação “face à competição e concentração de riqueza nas empresas transnacionais”.

Levada também por esta ideia, já estou a planear a minha próxima compra: o arroz preto produzido na Tailândia por um projeto que envolve dez famílias produtoras. É riquíssimo em ferro, fibras, vitamina E e magnésio.

Só preciso de saber se há alguma forma especial de o confecionar. Mas isso vou perguntar na própria loja.

Começar de novo

16 Sep

Start 1 recortada

Há dias, num daqueles em que me dá para esmiuçar tudo, dei-me conta do quanto pode ser absolutamente sedutora esta possibilidade de recomeçar.

Renovar a vida, ter novas experiências. Como pode não ser tentadora? Claro que é, e isso enche-nos de esperança e de otimismo, de alegria e excitação.

E ao mesmo tempo, sejamos francos, é tão inquietante. Sentimos (tanto) medo desse desconhecido que nos espera.

Por outro lado, recomeçar significa que o que tínhamos acabou, esgotou-se. E nesse sentido é desagradável, pois pomos em causa o nosso valor – a nossa capacidade de empenhamento e envolvimento.

De todas as ruturas ou perdas que nos obrigam a novos começos, provavelmente a separação ou divórcio e o desemprego são as que mais interferem com o nosso brio – pessoal e profissional. No limite, sentimos vergonha.

fresh start recortada

Mesmo que no lugar dos segredos bem guardados, tivéssemos desejado o fim dessa relação, por já não nos realizar e ou fazer feliz, não conseguimos evitar estes sentimentos.

Como diz a psicóloga clínica Ana Almeida (com quem voltarei a falar neste assunto brevemente) “são situações da vida (life events) de grande magnitude, e com forte impacto emocional, geradoras de níveis de stress muito elevados”.

Perante o vazio provocado pelo divórcio e pelo desemprego, sentimos muitas vezes a nossa inutilidade, a nossa frustração. Mas também a possibilidade de nos reinventarmos para novas relações que possam finalmente preencher-nos.

Mas entre uma coisa e outra, é preciso prepararmo-nos. Sobretudo dentro de nós próprios. Consertar os cacos, exorcizar os ‘demónios’, perder os tais medos de voltar a tentar, de recomeçar.

Umas pessoas levam mais tempo do que outras a fazê-lo. Mas todas passam (ou é suposto pasarem) por várias fases, ‘dançando’ entre o amor e a raiva. Tudo isso é normal, diz quem sabe.

Notas de outono e a minha mãe

14 Sep

rosa - Cópia recortada

Hoje há qualquer coisa no ar. Ainda é muito subtil, mas ‘anda por aí’: uma luz menos intensa, um cheiro de passagem de estação que me faz apetecer ir para a cozinha fazer compota de ameixa, biscoitos e bolinhos de mel.

Tenho rituais para acolher as estações que aprendi com a minha mãe. E tal como ela, os melhores celebram a primavera e o outono.

Juntas, costumávamos fazer passeios pelos campos, quando os dias começavam a crescer. “O Alentejo é mais bonito nesta altura”, dizia-me ela – a madeirense que nunca perdeu as raízes e vivia com saudades do mar.

No outono íamos as duas para a cozinha, onde ela juntava o melhor das duas regiões inventando bolinhos que misturavam mel, café e especiarias. Comecei por lamber a taça onde restava sempre uma generosa porção de massa dourada, como criança que era. Mais tarde fiz todas aquelas receitas.

Não me lembro da primeira vez que ela colocou nas minhas mãos o pequeno bolinho cozido numa forma própria, especialmente para mim. Mas lembro-me da última: eu já tinha 30 anos!

Ah, como eu me sentia uma criança orgulhosa de ter um amor assim para mim. Dos gestos que me diziam “gosto de ti”.

Hoje vou celebrar estas notas de outono, que fizeram com que tu ainda estivesses mais presente, mãe. Vou fazer uma compota de ameixa, onde possa continuar a sentir a acidez do fruto.

E a ti, que  fazias crescer flores entre o xisto, deixo uma rosa.

%d bloggers like this: