No cinema às três.

9 Oct

Eu e Tu sala recortada

Meia hora para comprar o bilhete e os Halls sem açúcar, dar um pulo à livraria Bertrand, e entrar na sala 1 do Monumental sete minutos antes de o filme começar – às três e trinta. Gosto de fazer as coisas com tempo.

E ainda bem! Pois tive de mudar de lugar, à última da hora. Não entendo a mania de algumas pessoas, de sentarem-se ao colo dos outros. Com cerca de vinte na sala, francamente, não havia necessidade!

Isto tudo em nome de Bertolucci. E do seu mais recente filme Eu e Tu. Um ano depois de ter ido a Cannes, chega a Portugal.

A espectativa é grande tratando-se de Bernardo Bertolucci, realizador de filmes como Último Tango em Paris (1972) e O Último Imperador (1987). E ainda mais quando se ausentou uma década – a última realização era de 2003, Os Sonhadores.

Não é extraordinário este drama de Bertolucci sobre um adolescente na idade do armário, introvertido e antissocial. Mas é bom, vê-se muito bem. Gostei da fotografia e da música (com espaço para um tema de David Bowie), e da ideia de um só cenário para filmar os dilemas juvenis (o que não é uma novidade no realizador italiano).

Eu e Tu 1 recortado

Mas voltando à história, Lorenzo é um jovem que tenta manter-se longe do mundo e perto das coisas que gosta: ler e ouvir música. O seu maior sonho é viver só, mas na impossibilidade de o fazer, experimenta a sensação isolando-se na cave do seu prédio durante uma semana.

Os pais estão convencidos que foi numa viagem de turma, para uma estância de esqui. E felizes com o que interpretam ser um pequeno sinal da sua abertura.

No primeiro dia, tudo acontece como Lorenzo havia sonhado. Mas depois tudo muda, com a chega da sua meia-irmã, com praticament o dobro da idade dele, que escolhe o mesmo lugar para fazer uma desintoxicação da droga (heroína).

E eles, que nunca tinham convivido, acabam por se entender, por se entreajudar, ajudando-se a curar as feridas um do outro. Conhecer Olívia vai alterar para sempre a maneira de Lorenzo ver a vida, superando a aversão ao contacto humano e ao convívio. Ou, pelo menos, é essa a ideia  que fica!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: