À descoberta da cidade

13 Mar

Lx

LV

Lisboa

Do Cais do Sodré a Belém, umas vezes de autocarro, a maior parte das vezes de elétrico, vou descobrindo Lisboa. As ruas estreitas, as casas antigas, ‘palácios’ abandonados. Os velhos e os estudantes, os turistas. A luz. E o movimento das gentes. Arcadas e pátios transportam-me para outros tempos. Que não conheci. Mas vi em documentários e fotografias antigas. Pelo menos uma vez. Dentro desta cidade há muitas cidades. E dentro delas, descubro aldeias. Aglomerados com ritmo próprio. Aldeia com compasso lento. Que vivem com a pressa ao lado. Mas mesmo a pressa por aqui é mais lenta, conjugando-se harmonicamente. Por aqui a pressa caminha a passo mais lento. A maior parte das vezes, eu também desacelero o meu passo. Cada vez tenho mais domínio sobre o ritmo da minha caminhada. Mas não foi fácil. Desacelerar o passo, até conseguir ficar mais perto dos passos da ‘aldeia’. Vou-me habituando a estes planos. A um novo respirar Lisboa. De passagem.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: