Tag Archives: jardim

Atravessando a Luz

14 Feb

a-noite-na-luz-1

a-noite-na-luz-2

a-noite-na-luz

Já conheço de cor este jardim (da Luz). Manhãs cedinho, a todas as horas. E à tardinha também. Na Primavera e no Verão, no Outono e no Inverno. Continue reading

Advertisements

No rasto do sol

5 Jan

pelo sol

No encalço do sol. Da estrela. A maior. No encalço da luz que se empresta aos dias de janeiro. Dias que crescem à tardinha, numa timidez adolescente. Devagar, sem pressas, a atravessar jardins onde as primeiras sementes lançadas à terra despertam sinto uma nova brisa. Com todos os sentidos. Não tarda é tempo de nascer! Não tarda é tempo de renascer! Suave inspiração.

O outro lado da cidade

18 Dec

Jardim das Maria

Jardim

Jard Marias

JM

E de repente, entre prédios altos, este recanto absolutamente fabuloso: o Jardim das Marias, para os lados da Estrada de Benfica. Há sempre imenso por descobrir na cidade.

Descontração no jardim

16 Sep

R Jose Estrevão (jardim)

Há alturas assim, atravesso Lisboa de uma ponta à outra cruzando ruas e recantos que estão fora da minha rota normal. Quase sempre vou apressada, com hora marcada para lá – para uma conversa. Mas faço questão de parar cinco minutos no regresso – a não ser que tenha outra conversa marcada – para olhar à volta. Sentir a luz, a energia, o respirar daquele bocado de terra, de uma rua ou de uma praça. Ontem foi assim, para os lados do Jardim Constantino!

Momentos especiais

8 Jul

hortense

hortenses

hortense C

Um passeio pelo jardim, de manhã cedo ou à tardinha, ainda é o melhor dos meus dias. Por isso, pelo menos duas vezes por semana vou ao da Luz. Mais perto de mim. Vou passear. Respirar. Pensar em tudo. Pensar em nada. Às vezes tomo um café, às vezes leio um livro, mas gosto mais de não fazer nada. E olhar para dentro de mim. E olhar os rostos que passam. E adivinhar histórias. E agora ver os campos de hortênsias.

 

Um café no meu jardim preferido

7 Jun

Luz Garden

Luz Garden Lisboa

Não gosto da chuva em junho. E de dias cinzentos como o de ontem, a interromper a minha primavera. A interromper os meus passeios por Lisboa. Por lugares conhecidos e por novos lugares. E por outros ‘reutilizados’. Felizmente, depois de uma manhã incerta, tenho o meu sol de volta. O sol que me aquece. O sol que aquece os dias. O sol que me consola quando o que me preocupa teima em dormir comigo. E seguir-me para onde quer que eu vá. Gosto do sol. Do sol amarelo a espreitar pela minha janela logo manhã cedo. E a brincar com o lenço que faz as vezes de cortina (eu não gosto de cortinas, mas gosto de panos transparentes e leves a preguiçar nas janelas com os braços muito esticados). Gosto do sol que me acompanha num café no meu jardim preferido, o da Luz. Do sol que ilumina as páginas do meu livro. E que às vezes me arrelia, quando brinco aos fotógrafos.

Saudades da primavera

21 Feb

MT Jardins MTraje Jardim

Jardim MT

Saudades da primavera. Da luz, dos dias mornos. E destes recantos do Museu do Traje – aqui tão perto! E da sua vegetação exuberante. Dos seus canteiros de flores, dos lagos e da quietude. A bênção do silêncio deste lugar. Saudades da primavera. E das suas atmosferas perfumadas.

Jardins secretos

13 Sep

jardins recortado SEste ano reencontrei o Parque do Monteiro-Mor. Ao fim de uma manhã de primavera. E a partir desse dia, já lá voltei várias vezes.

Fiz as fotografias no verão, numa dessas visitas. Na altura estava com uma amiga que se imaginava com vestidos de princesa a passear-se pelo Palácio e jardins (Monteiro-Mor), pelo que ainda nos divertimos como crianças a brincar ao faz de conta.

traje 2 recortada S

Esta semana voltei lá sozinha. Levei um livro que não abri, deixando-me embalar pela beleza do grande jardim botânico, um legado do séc. XVIII que acolhe um magnífico espólio de espécies exóticas.

Com tão poucos visitantes, é uma bênção o silêncio! Nós e a Natureza. Bela, exuberante, num namoro pela tarde.

Por altura da primeira visita já sabia um pouco da história do local: que o grande complexo (que junta o palácio, as casas, o jardim e a quinta) era propriedade da família Palmela e que em 1976, quando passa para as mãos do Estado, é subtido a trabalhos de intervenção.

Traje piscina recortada S

Que aí se instala o Museu Nacional do Traje criado no mesmo ano.

E que a limpeza do jardim traz os canteiros e os lagos à luz do dia, demarcam-se caminhos segundo o traço original. A seguir vem a plantação de herbáceas e arbustos. Está tudo no site do Museu que reúne uma pequena coleção de trajes, desde o período romântico até aos nossos dias.

Traje 1 mais S

Mas quando estou neste lugar, confesso que só quero ficar quieta. De olhos bem abertos a contemplar a beleza das árvores e das rosas, e das águas dos lagos ainda que por vezes turvas.

Nos espaços onde a vegetação se adensa e é ainda mais exuberante, o belo tem qualquer coisa de ‘horrível’.  Uma beleza assim ‘ameaça sufoca-nos’! Lembra um quadro de Turner. Nas cores. E na sinuosidade.

É impossível permanecer muito tempo nesta contemplação. É uma vertigem! Mas eu sei que vou voltar sempre!

%d bloggers like this: