Tag Archives: summer

The best of summer 2016

7 Sep
?

Padrão dos Descobrimentos, Lisboa

?

Belém com Tejo ao fundo, Lisboa

?

Domingo escaldante no Guincho

?

Novo plano da praia da Bafureira, linha de Cascais

por-do-sol-para-os-lados-do-tamariz

?

Lua cheia sobre a praia. Dois planos do anoitecer para os lados do Tamariz, linha de Cascais

?

Mertola: os dias e os serões na província

mertola-seroes-na-provincia

?

Lazy days (ou doce preguiça)

Encher os olhos de paisagens de campo e de mar, absorver os cheiros à minha volta, tocar as árvores, a areia e o sal. Continue reading

Advertisements

Welcoming summer

21 Jun
?

Retratos de verão

E começa agora o tempo tão desejado, Continue reading

Adeus agosto

31 Aug

Ceu em agosto

Aproveitar este céu lindo, muito azul, enquanto o tempo das nuvens não chega. Último dia de agosto, a vinte e dois dias do outono. Como eu gosto desta sensação de passagem, de fim e princípio. Acompanhar a mudança das paisagens, descobrir novas cores e novos cheiros para apetecer novos sabores. Lá fora tudo muda. Primeiro com gestos tímidos. Cá dentro também. E, de repente, numa hora qualquer vejo-me a abrir baús à procura de mantinhas quentinhas. Mas ainda não será hoje que o dia é quente e ainda é verão, e há uma promessa de que o calor vai prolongar-se. Com um pouco de ‘sorte’ ainda volto a ver praia. E muitos céus azuis como o de hoje,  sobre o pinhal.

Dias de sol

15 Jul

Dias de sol

Dia com sol

O dia e o sol

Verão. Dias de sol na cidade. São uma inspiração estas manhãs cedo em que me preponho andar. [Andar o máximo a pé, atravessando jardins.] E à tarde, quando a luz enfraquece subtilmente. Mas antes do vento chegar. Este que invade agora as noites. E faz barulho à minha janela.

Bom dia Verão

21 Jun

panquecas+abacate+chia

Há muito tempo que isto não acontecia, mas foi bom! Foi bom acordar mais tarde – já eram 10h 45 –, e não ir ao ginásio. [Às vezes também preciso transgredir. Não posso ser tão exigente comigo própria, o tempo todo.] E acolher o primeiro dia de Verão, embora instável, um pouco cinzento, com cerimónias e máxima concentração. Abrir a janela e respirar devagar, sentido fisicamente esse movimento. É como se meditasse, só que de olhos abertos, pois não quero perder cada pormenor desta manhã primeira de uma nova estação. A dança da Natureza. [Tenho a vantagem de ter casa com vista para um pequeno jardim. Quando as árvores se espreguiçam, os seus braços quase chegam ao parapeito da minha janela]. E depois, a um ritmo igualmente lento, sem pressas, preparar um pequeno-almoço especial. Em modo ‘com fome de guloseimas, continuação, e ao mesmo tempo quero criar um prato bonito e colorido para abraçar o Verão’, acabo por eleger as panquecas simples de sempre que faço em 15 minutos. Junto uma chávena de farinha, outra de leite magro e um ovo para obter a massa. Recheio com o meu doce de morango ‘homemade’. Porque é um dia especial, sirvo-as com gomos de abacate e sementes de chia. Acompanho com uma boa caneca de café preto, bem forte, pois não há melhor conjugação. Bom dia Verão.

O que é que estas praias têm?

2 Aug

o mar 1

Águas límpidas e cristalinas, areias brancas e ambientes descontraídos.

Às vezes o sol teima em não aparecer em pleno verão – o que não foi o caso este ano, durante a semana de julho que lá passei umas férias tranquilas –, mas mesmo assim há magia nas praias do SW Alentejano e Costa Vicentina que visitei.

E à sua volta uma beleza que nos convida a voltar em qualquer altura do ano. E a vivê-la com todos os sentidos!

∙ Praia das Furnas

furnas 1

De um lado o Atlântico, do outro a foz do rio Mira, e a ao fundo a praia do Farol. Às vezes caminhamos da praia para o rio, onde as águas ficam mais frias até ao arrepio.

Este ano o mar avançou sobre a areia e o verão revelou um areal menos profundo quando a maré enche. A solução, para quem gosta do silêncio e detesta sentir-se numa carruagem do metro de Lisboa na hora de ponta, é chegar à praia com a maré vazia.

Foi o que eu fiz esta ano, aproveitando para dar umas boas caminhadas à beira mar e banhos revigorantes. Vale sempre a pena voltar às Furnas.

∙ Praia de Almograve

Almograve 1

O areal é pouco profundo e extenso, mas também aqui o avanço do mar fez-se claramente sentir. Na hora da maré cheia há pouco espaço para banhos de sol. Independentemente disso, continuei a ‘acampar’ na zona mais recatada e intimista da praia, com um areal diminuto.

Quando o mar sobe na praia de Almograve a rebentação ameaça, pode tornar-se traiçoeiro, por isso é tempo de ir ao encontro de outras paragens.

Diz-se que tem boas condições para a prática do bodyboard. Eu confesso que não sei. A minha relação com o mar é mais contemplativa!

∙ Praia da Ilha do Pessegueiro

ilha do pessegueiro 1

Não sei se há um pessegueiro na ilha, nunca fiz essa viagem de barco. Deste lado continuo a ver uma ilha de gaivotas.

Este ano, num dos dias mais quentes por estas paragens, experimentei umas braçadas na praia – que é vigiada – com as suas águas transparentes e areia branca.

∙ Praia do Malhão

malhao 1

Tenho que admitir, é a minha preferida. É a praia mais selvagem, a praia do grande areal com grandes dunas, e uma vasta encosta de rochas, que vai conseguindo sobreviver às grandes invasões de turistas, talvez porque não é de fácil acesso.

Para lá chegar é preciso fazer um caminho tortuoso de terra batida. Mas há sempre espaço no Malhão, mesmo quando a maré enche.

Este ano a prática do surf pareceu-me mais presente, o que não tirou a magia ao lugar.

∙ Praia do Carvalhal

Carvalhal 1

Também gosto especialmente desta praia atravessada por um riacho, situada a poucos quilómetros a sul da Zambujeira do Mar, num vale profundo e harmonioso.

A melhoria nos acessos tem trazido mais gente ao Carvalhal, que continua a ser uma praia tranquila com muito bom ambiente.

À beira mar ou mais distante no areal, o conforto convida a umas braçadas descontraídas no mar e a preguiçar ao sol ate ao entardecer.

%d bloggers like this: